02 janeiro 2006

“Ainda que as flores murchem...”

“Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações, para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo...” 1Pe 1.6,7



Uma das coisas que sempre me intrigou a respeito do cristianismo é a questão do sofrimento. “Por que um Deus Todo-poderoso e Amoroso permite que as suas criaturas sofram?”, eu me pergunto. Conclui que, durante a minha peregrinação nunca saberei a resposta. Talvez essa não seja a pergunta correta. Qual seria então a pergunta correta?

C.S. Lewis sobre isso diz: “Bem faça sua escolha. As torturas acontecem. Se elas são desnecessárias então não há Deus, ou Ele é mau. Se há um Deus bom, então essas torturas são necessárias. Pois nem mesmo um Ser moderadamente bom poderia infligi-las ou permiti-las, se elas não fossem necessárias.”

Em seus escritos sobre o seu sofrimento( a perda da esposa) ele diz: “Será que essas anotações não passam do padecimento de um homem que não quer aceitar o fato de que não há nada que possamos fazer contra o sofrimento, exceto sofrê-lo? Quem ainda acha que existe algum truque que faça o sofrimento ser sofrível? Não faz diferença alguma agarrar à cadeira do dentista ou deixar as mãos repousar calmamente sobre o casaco. A broca continuará perfurando.”


Perder a esposa foi como perder uma parte de si mesmo: “No momento estou aprendendo a andar de muletas. Quem sabe nesse mesmo instante eu ganhe uma perna de pau. Mas jamais serei um bípede de novo.”

Muitas das vezes focamos o processo em nós e não em Deus.

C.S. Lewis diz: “[Deus]não havia tentado fazer uma experiência com a minha fé ou o meu amor a fim de descobrir a sua qualidade. Ele já a conhecia. Era eu que não a conhecia.”

Talvez a pergunta sobre o sofrimento não seja “por quê”e sim “para quê”. Talvez. Não sei ao certo.



3 Comments:

At 11:53 PM, Anonymous Paulo Sacramento said...

Pra mim o ponto chave não é nem o "porque" nem o "para que", mas sim o "como devo encarar?"

 
At 1:36 PM, Anonymous Fabio said...

Acho ótima a reflexão. O sofrimento geralmente trás luta contra a fé... Cabe a nós buscarmos a mente de Cristo, para que, como Ele, saibamos suporta-la. Hb12

 
At 1:35 AM, Blogger pedpau said...

Muito bem bolado Lelê!
Acredito que a resposta do para quê? sempre virá apenas após o sofrimento, o que não alivia em nada... porém aponta para algo e torna nossa experiência com um significado mais honroso e digno de ser vivida.

Gostei do seu blog.
Abraços, Pedro Paulo.

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home